OBJETIVO DO JORNAL
A função social deste jornal é analisar criticamente fatos nacionais e internacionais por uma ótica marxista-leninista.
BLOGUISTAS
• OPERÁRIO SINDICALIZADO
• SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL
• AMBIENTALISTA DE PURO CORAÇÃO
• RAPPER FEMINISTA
• PRESIDENTE DE DIRETÓRIO ACADÊMICO
• CORRESPONDENTE ATEU
• MANIFESTANTE ANTI-E.E.U.U.
 FONTES PROLETÁRIAS
 REVOLUCIONÁRIAS
 AGÊNCIAS
 POPULARES DE NOTÍCIAS
 ORGANIZAÇÕES
 POPULARES DEMOCRÁTICAS
 CAMARADAS FAMOSOS
 SITES AMBIENTAIS
 POPULARES DEMOCRÁTICOS
ARQUIVO REVOLUCIONÁRIO
CONTRIBUIÇÕES RECENTES
domingo, novembro 19, 2006
Da necessidade da eliminação do lumpenproletariado reacionário
Operário Sindicalizado

Noutro dia, eu estava voltando para a minha casa no carro do sindicato (que foi comprado com o dinheiro voluntariamente cedido pelos operários revolucionários através da retenção de seus salários na fonte), quando parei frente a um semáforo de trânsito fechado.

Imediatamente se aproximou de mim um membro do lumpenproletariado, pedindo-me para limpar o parabrisas do carro, ao que consenti. Naquele momento, minha mente estava adormecida; eu havia distanciado meus pensamentos da Revolução e das preocupações com o Povo! Tão desatento eu estava que nem notei que estava frente a um dos meus potenciais piores inimigos!

Depois de alguns minutos de torpor, recobrei meus sentidos e identifiquei aquele ser abjeto, excluído, mal-andrajado, miserável, que limpava o vidro do carro. Imediatamente vieram-me à mente as palavras de Karl Marx sobre esse tipo de gente:
O lumpenproletariado, esta putrefação passiva das camadas mais baixas da velha sociedade (...), por toda a sua situação de vida estará mais disposto a deixar-se comprar para maquinações reacionárias.
Aquele vagabundo estaria disposto a se vender pelas migalhas da burguesia e a sabotar a Revolução Proletária, era óbvio! Quando ele terminou seu "trabalho" e se aproximou para me pedir alguns centavos, meus olhos se encheram de fúria. Eu não poderia permitir que um ser reles daquele posasse resistência à Revolução Comunista. Peguei o extintor de incêndio de debaixo do banco do carro e, com ele, acertei-lhe a cabeça!

Logo depois, engatei a marcha ré no carro, recuei um pouco e acelerei com toda velocidade à frente, passando por cima do tal lumpenproletário. Saí do carro, peguei um graveto no chão e espetei-o duas vezes para me certificar de que ele não mais viveria. De fato, estava morto!

Continuei a guiar o carro rapidamente até minha casa, onde eu dormiria feliz por ter eliminado um dos inimigos do Povo.
Contribuição para a causa às 16:30

Ou dê sua contribuição democrática através do Livro de Rostos:
Anonymous Ricardo, ÀS 22:00 DISSE: 
Q isso? Não entendi... É metáfora
Anonymous Ricardo, ÀS 22:01 DISSE: 
????

Faltou o ponto no final

Postar um comentário